Home

A trajetória do Galo ao título da Libertadores


O Atlético-MG se consagrou com a vitória suada, nos pênaltis, contra o Olimpia e é o grande campeão da América! Vamos relembrar a trajetória do Galo desde a fase de grupos, até os confrontos decisivos no caminho para o título!

O primeiro jogo na fase de grupos foi contra o São Paulo, e a vitória por 1 a 0 já iniciava com o pé direito o caminho do Galo. Contra o Arsenal de Sarandi, um chocolate, 5 a 2 com direito a golaço de Ronaldinho. Contra o The Strongest veio a 3ª vitória seguida e os 100% de aproveitamento nas partidas de ida da fase de grupos.

Na volta, fora de casa, o Atlético-MG voltou a vencer o The Strongest pelo mesmo placar: 2 a 1. Mais um repeteco contra o Arsenal de Sarandi, e os 100% de aproveitamento continuavam!  Contra o São Paulo, no Morumbi, veio a primeira derrota no campeonato, mas não importava tanto, pois o Atlético já estava classificado com a melhor campanha entre todos os times participantes.

Nas oitavas de final, o Galo não podia vacilar, e o confronto foi justamente contra o único time que conseguiu vencê-lo em todo o torneio: o São Paulo. Novamente no Morumbi, mas desta vez muito mais concentrado, o time jogou bem e conseguiu sair com a vantagem de 2 a 1. No Independência foi só alegria! 4 a 1 e o passaporte carimbado para as quartas de final da Libertadores.

Contra o Tijuana a coisa esquentou! No duelo de ida, o resultado foi bom: 2 x 2 fora de casa e a chance de decidir no Brasil. Mas a segunda partida prometia fortes emoções. O jogo não engrenava e o placar estava 1 x 1 até que aos 47 minutos do segundo tempo, o time mexicano conseguiu um pênalti a seu favor. Estava tudo nas mãos do Victor! Ou melhor, nos pés. Uma defesa espetacular com a pontinha da chuteira colocou o Galo nas semifinais.

O sonho ia se aproximando, e os atleticanos iam ficando cada vez mais confiantes. Na Argentina, contra o Newell’s Old Boys, veio o primeiro balde de água fria: 2 x 0 para o time da casa. Restava a esperança e a garra de buscar o resultado no Independência. E foi o que aconteceu, 2 x 0 para o Atlético-MG aqui, e a decisão do finalista foi para os pênaltis. Muito nervosismo para todos os lados, e no final, mais uma vez com uma defesa do goleiro Victor, o Galo confirmou a sua vaga para a grande decisão!

Com 3 títulos da Libertadores e 7 finais, o Olimpia tinha a fama de copeiro, e o primeiro jogo deixou os paraguaios bem confiantes: 2 x 0 com um gol de falta, no finalzinho, deixando os atleticanos aflitos. Desta vez jogando no Mineirão, a história parecia se repetir, 2 x 0 para o Galo e o jogo foi para a prorrogação. Jogando com um a mais, o Atlético comandou os últimos 30 minutos de jogo, com bolas aéreas lançadas na área, inclusive beliscando a trave, mas nada de gol. A decisão do grande campeão da Libertadores seria nos pênaltis!

Logo na primeira cobrança do Olimpia, o herói do Galo, Victor, pegou mais um e deixou o time brasileiro com a vantagem. Se o Atlético fizesse todos os seus gols, se tornava o campeão da Libertadores. As cobranças foram sendo executavas e confirmadas em gols. Até que restava apenas um pênalti pra cada lado e uma bola na trave do jogador do Olimpia deu ao Galo o tão sonhado, e merecido, título da Libertadores da América!

Um detalhe curioso é que o jogo que foi prestigiado por 56.557 pagantes no Mineirão teve a maior renda da história do futebol brasileiro: R$ 14,176.000,00! Isso mesmo, R$ 14 milhões de Reais! Vale lembrar que o recorde até então era do jogo Flamengo x Santos, que jogaram no novo Mané Garrincha, em Brasília, na abertura do Brasileirão deste ano. Naquela partida a renda foi de R$ 6,9 milhões.

Agora, o destino do Atlético-MG é o Mundial de Clubes, que será realizado no Marrocos e o principal adversário pode ser o campeão da Champions League, Bayern de Munique. Você aposta numa final Brasil x Alemanha? Deixe o seu comentário aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>